quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Dicas de como viajar sem falar inglês

Vejo que muitas pessoas têm MEDO de viajar por não falar inglês e acabam deixando de conhecer lugares maravilhosos. Um jeito fácil de resolver esse problema é contratar uma excursão e deixar por conta deles. Existem outras formas, no entanto, que dependem de um pouco de coragem, mas que podem transformar a sua viagem em uma viagem ao seu interior! Nada mais gostoso que traçar um objetivo e conseguir conquistá-lo. Nada é impossível! 

Falo isso, porque quando começamos a pesquisar uma viagem em blogs, sites e livros é como se já conhecêssemos aquele lugar; ficamos tão íntimos, que ao chegar no local, dificilmente algo vai sair errado e o "não falar inglês" vai ser apenas um detalhe. 

Nunca ouvi dizer de alguém que não voltou pra casa, porque não conseguiu se comunicar. O máximo que já ouvi foram boas histórias, que renderam boas gargalhadas, como uma senhora que perguntou ao garçom que tipo de carne era aquela, fazendo Muuuuuu??? e o mesmo respondeu que não, fazendo Béeee!!!! hahahah. 

Hoje em dia, existem várias tecnologias que podem ajudar nessas horas, como aplicativos que fazem a tradução e mapas que funcionam offline. 

Um desses aplicativos é o google tradutor que pode ser baixado no celular e te ajudar quando bater o desespero. Essa ferramenta tem inúmeras funcionalidades e uma das grandes facilidades é que ela pode funcionar offline, ou seja sem conexão com a internet, desde que você baixe o idioma que deseja (gratuito).

Mas imagina que aparece um texto enorme na sua frente e você pensa: Agora ferrou! #sqn O aplicativo permite que você tire uma foto e ele se encarrega de fazer a tradução. Que tal? Perfeito, hein?! Acho que até eu vou usar na hora que bater a preguiça rsrsrsr 

Ahhhh, mas você fala inglês fluente e se garante?!? E francês, alemão, japonês, também fala???  Pois é, ele pode te ajudar em muitas outras línguas. 

Aí agora você pensa: tô salva! Imagina quando você descobrir que ele também traduz por áudio?! (você manda uma áudio em português e na mesma hora ele traduz. Você pode até colocar a pessoa pra falar em inglês, que você vai ouvir e ler tudo em português). Bom, a essa altura do campeonato já sei que o seu celular acabou de ganhar mais um aplicativo! E vai ser muito útil, tenho certeza! Estou IM-PRES-SIO-NA-DA!!!!!


Reparem nas funcionalidades do GOOGLE TRADUTOR: foto, aúdio e até desenho (alfabeto japonês, por exemplo)



Outra dica para não se perder e ter o guia das principais cidades em suas mãos é baixar o aplicativo do tripadvisor, bem conhecido entre os viajantes. O que muitos não sabem é que existe um campo para fazer o download das cidades de interesse e depois o acesso pode ser feito de forma offline, ou seja, sem necessidade de conexão com a internet. (lembre-se de baixar a cidade enquanto estiver online)



Um jeito de conhecer a cidade (sem o risco de se perder) são aqueles ônibus hop on hop off, que deixam em todos os pontos turísticos, com áudio guias em várias línguas, inclusive o português. Assim, além de não se perder, ainda dá pra conhecer a história do lugar na sua própria língua. (site- clique aqui)


Essa dica que vou dar agora, vale para todos os viajantes, inclusive os que falam inglês. Existe a possibilidade de fazer uma visita guiada pelo centro da cidade, passando pelo principais pontos turísticos, com um guia que fala outras línguas (normalmente o espanhol já ajuda bastante), são os free walking tours (tradução livre: visita a pé guiada), feitos normalmente por moradores locais, formados em história, que marcam um ponto de encontro e custam apenas o que o seu coração e a sua consciência mandarem. 

Os guias costumam estar identificados com um guarda-chuva no ponto de encontro (normalmente, em um praça turística de fácil acesso)

Esse tipo de turismo é bem comum nas principais cidades turísticas do mundo, inclusive, aqui no Brasil também já existe! Você só tem que lembrar de buscar no google por free walking tour e o nome da cidade que quer conhecer. Então, você descobre o ponto de encontro e horários que essas visitas acontecem em diversas línguas e se direciona ao local para fazer o tour gratuito (É conveniente dar uma gorjeta, se gostar do serviço). O ideal é mandar um email para maiores informações e garantir o seu lugar, pois eles costumam atender a grupos pequenos, o que é bem legal também.

Bom, eu fiz este post, porque muitas pessoas têm um certo receio de viajar por conta própria. Um dos maiores empecilhos é o idioma, o medo de se perder, de não conseguir entender e se fazer compreender. Acho que todas essas dicas vão ajudar a dar um pouquinho de coragem para acreditar que é possível viajar para fora do Brasil sim, mesmo sem falar inglês.

Gostaram? Se essas dicas foram úteis ou se você tem alguma pra ajudar nossas duplas viajantes, não esqueça de compartilhar conosco aqui nos comentários e boa sorte!

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Atenas - uma viagem ao passado - o que fazer, onde ficar, onde comer?

Primeiramente, queria pedir milhões de desculpas pela ausência aqui no blog. Nem sempre os compromissos do dia a dia permitem que a gente publique as novidades por aqui. Pelo menos quem segue a gente também no instagram @dupladeviagem consegue acompanhar as fotos e as viagens maravilhosas que fazemos. Essa viagem foi organizada para os meus pais no ano de 2015. Eles  voltaram e ficaram encantados com a viagem. Minha mãe elogiou muito o roteiro passo a passo que fiz para eles e resolvi compartilhar aqui com vocês.

Organizar uma viagem pra pessoas tão próximas da gente não é nada fácil, a exigência e cobranças são maiores, afinal a gente não quer decepcionar quem a gente ama, né?!? Tomei como base uma parte de um roteiro que fiz com meus irmãos em 2011 e adaptei para eles. E aí?!? Prontos para conhecer a Grécia?

Vamos começar nosso roteiro com Atenas, a capital grega!


Acropolis vista ao anoitecer



Quantos dias ficar?

Quando fui, há alguns anos, o foco da minha viagem era praia e festas, vou confessar! Então, acabamos reservando pouco tempo para Atenas e foi aquela correria. Conseguimos ver os principais pontos da cidade, mas não conseguimos apreciar com calma e desfrutar de tudo que a cidade tinha pra nos oferecer. O ideal seria 3 dias, tempo suficiente para visitar os museus, Acrópole, se deliciar com a culinária grega e curtir a cidade. Foi o tempo que programei para a viagem dos meus pais e deu super certo!

Onde ficar?

Indico o bairro de Plaka, fica próximo a tuuuuuudo, tem fácil acesso ao transporte público e é aquele lugar que a gente pode sair do hotel a pé pra jantar ou fazer umas comprinhas sem ter que pegar milhares de meios de condução. Por essa fácil localização, obviamente, o preço será um pouco mais caro, mas o gasto vale o conforto. Já ouviram falar que às vezes o barato sai caro? Pois é!!! De que adianta pagar mais barato na hospedagem e ter que gastar o tão precioso tempo se locomovendo, fora o custo do transporte de um lado para o outro!?

O Hotel escolhido para a viagem dos meus pais foi o Hermes, que fica entre a praça Syntagma e a Monastiraki, ou seja, super bem localizado! Pra chegar nele, basta seguir essas opções:
Pegar o ônibus x95 no aeroporto, custa 5 euros. Fica em frente ao terminal de chegadas. Tem que validar o ticket e demora de 45 a 55 minutos até chegar à praça syntagma. De lá, andar pela rua Mitropoleos e depois de 3 quadras, virar à esquerda na Rua Patroou. No final dessa rua pequena vcs verão o hotel.
Metro Os tíquetes podem ser adquiridos na própria estação, que fica a poucos passos do aeroporto, por cerca de €8 por pessoa. A vantagem, entretanto, é que há desconto para cada pessoa adicional (duas pessoas pagam €14, enquanto três pagam €20). O metrô parte a cada 30 minutos, das 5h30 à 0h15, e a viagem até a praça Syntagma dura, em média, 40 minutos.
De taxi custa uns 35 euros.

Quarto

banheiro


O que fazer?
Que tal começar a conhecer a cidade com uma guia local, andando pelas ruas e aprendendo um pouco da história da cidade?!? Às vezes, quando viajamos sozinhos, sentimos falta de um pouco de conhecimento sobre os lugares e curiosidades que só um guia podem passar, mas ao mesmo tempo não queremos ficar presos a um ônibus percorrendo a cidade naqueles famosos tours panorâmicos, não é mesmo ?!?
 A solução perfeita para isso são os "walk tours", uma guia da cidade que fala a sua língua (ou alguma que você entenda) e percorre alguns pontos da cidade a pé, com um grupo pequeno. Uma aula de história a céu aberto! São 3 horas de caminhada e o melhor é que é grátis, você só paga se quiser e quanto o seu bolso permitir.
Em Atenas, a guia que fala espanhol é a Yota e seu email de contato é atenasfreewalkintours@gmail.com Também existem guias em francês e inglês. Ela é super simpática e deixa tudo combinado por email. No dia, horário e local marcado ela aparece com seu chapeuzinho branco e sorriso no rosto. O ponto de encontro é a Igreja Bizantina da praça Monastiraki e os pontos visitados são: a praça monastiraki, a biblioteca de Adriano, a ágora romana, a ágora grega, a colina de Ares, Plaka, a praça Syntagma, o parlamento, o jardim nacional, o estádio Panateinaco, o templo de Zeus e o Arco de Adriano. É uma rota ao redor do centro histórico de Atenas e durante o passeio não se entra em nenhum lugar.
Guia Yota - Free Walk Tour

Outra forma de conhecer a cidade é por meio daqueles ônibus "sightseeing". Gosto muito desse sistema, porque permite que você faça o seu roteiro, visite os locais de sua preferência e ainda conheça um pouco a história com os áudio-guias, em diversas línguas, inclusive o português. O ponto de partida é a praça Syntagma, o trajeto completo dura 90 minutos, os ônibus passam de meia em meia hora, custa 18 euros e pode ser feito em 2 dias.

Esse é o roteiro do ônibus:

Stop 1 - Praça Syntagma
 Stop 2 - Melina Merkouri, Plaka
Stop 3 - Novo Museu de Acrópolis
Stop 4 - Acropolis & Parthenon
Stop 5 - Templo de Zeus
Stop 6 - Jardim Nacional
Stop 7 - Museu benaki
Stop 8 -
Estádio Panateinaco
 Stop 9 - Jardim Nacional
Stop 10 - Biblioteca Nacional
Stop 11 - Museu Arqueológico Nacional
Stop 12 - Praça Omonoia
Stop 13 - Praça Karaiskaki
Stop 14 - EstaçãoThession
Stop 15 - Praça Kotzia
Percebam que muitas paradas do ônibus são comuns à visita guiada a pé, mas, mesmo assim, eu faria os 2 tours e foi o que meus pais fizeram, usaram o ônibus para conhecer os pontos mais afastados e aqueles que não tinham sido vistos com a guia Yota. Quando fui, fizemos a pé, por conta própria.
Museu Arqueológico Nacional, um dos museus mais importantes do mundo nesta temática. Pegue o metrô e desça na estação: Victoria, daí é só ir caminhando até o Museu.
Acrópole: Chegar à região da Acrópole é fácil. Basta pegar a linha 2 do metrô e descer na estação Acrópole. Os ônibus 040, 230, 106, 126, 134 e 135 também dão acesso ao local. O tíquete custa €12 (adulto) e permite a entrada não só na Acropole, mas também no Teatro de Dionísio, no Templo de Zeus Olímpico, em Keramikos, Agora Antiga, Agora Romana e na Biblioteca de Hadrian. A Acrópole abre de segunda-feira a domingo, das 8h às 16h30, de outubro a março, e das 8h às 19h30, de abril a setembro.


 

Novo museu da acrópole - Pegar a linha 2 e descer na estação acropolis. É bom entrar no site para conferir os eventos do Museus. Quando meus pais foram aconteceu um show de tango na lua cheia, patrocinado pela Embaixada Argentina, com orquestra nos jardins do museu. A entrada era gratuita no horário do show e poderia ser visto a exibição permanente e a temporária. O restaurante do segundo andar ficou aberto. Um evento imperdível!



Entrada do Museu - foto de 2011  recém inaugurado


Saindo do museu da acrópole em 1 km se chega ao estádio olímpico.
Troca da guarda no parlamento acontece de hora em hora na praça Syntagma.
Andar pelas lojas e restaurantes de Plaka

Bairro de Plaka - rua de compras, bares e restaurantes (direto do túnel do tempo)


 Fora que andar pelas ruas de Atenas é ter um Museu a céu aberto.

Onde comer?
Dionysos O email para reserva é info@dionysoszonars.gr O horário ideal no verão é às 19:30h ou 20:00h para ver o por do sol e o começo do anoitecer com a Acrópole ficando iluminada  (primeira foto do post). De segunda a domingo das 12:00 pm até a 1:00 am Endereço: 43, Rovertou Galli St. 11742


A Dupla de Viagem (meus pais) no restaurante Dionysos

Tavern Kalokerinos: Kekroppos, 10 Plaka, Atenas 10558. Para assistir dança grega.

Pratos típicos: queijo feta, azeitonas, gyros pita, kebab
Duplas, esse roteiro foi pensado para facilitar a vida dos meus pais que não falam inglês e já têm uma certa idade. Lógico que é possível fazer tudo isso a pé, mas o ônibus hop on hop off é uma mão na roda, justamente para esses casos, concordam? Além disso, a possibilidade de percorrer as ruas da cidade conhecendo a história dos prédios e do povo, com pessoas que são locais, formadas em história é fenomenal! Aliar esses dois tipos de turismo só tem a agregar ao seu roteiro. #FicaADica


Sugestão de roteiro para eles:

Dia 1: chegar no hotel, tomar banho e às 16h fazer o roteiro com a guia em espanhol (3 horas de duração). Ponto de encontro na Praça Monastiraki. Jantar na sugestão com vista para acrópolis.
Dia 2: Comprar o ônibus sightseeing hop on hop off vermelho que sai da praça sintagma às 9h. Dar uma volta completa, que dura 90 minutos, e depois vai descendo nos lugares. Fazer o que é a céu aberto nos horários mais frescos (de manhã cedo e depois das 17h) e os museus fechados nos horários mais quentes. Observar no livreto do ônibus o horário que as atrações fecham. O tícket da Acrópole que inclui outras atrações pode ser usado em dias diferentes. Jantar próximo ao hotel, no restaurante de dança grega. Pedir para o hotel fazer a reserva.
Dia 3: Continuar fazendo o roteiro no ônibus. No caso dos meus pais, foram assistir o show de tango no Novo Museu da Acrópole, mas se não tiver nenhum programação especial a dica é jantar no bairro de Plaka, depois de dar uma volta nas lojas das ruas. 






quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Boulevard Olímpico - o que ver?

A dupla de viagem deu uma de turista na própria cidade. Com a criação do Boulevard Olímpico a gente não poderia deixar de conhecer essa nova área da cidade, totalmente revitalizada. E quem conhecia o antes se impressionou com o depois!
 
Aproveitamos que fomos assistir o jogo de vôlei de praia (BRAxARG), em Copacabana, para pegar o metrô e partir para o centro da cidade. Saltamos na estação da Carioca e fomos caminhando pela Avenida Rio Branco até a Rua Sete de Setembro, viramos à esquerda e depois à direita na Rua Gonçalves Dias. Pra quem não faz ideia de onde chegamos, mas já conhece a dupla de viagem mais gulosa do planeta rsrsrrs nossa primeira parada foi na Confeitaria Colombo, porque, afinal, ninguém é de ferro rsrsrs

Arena do vôlei de praia


Confeitaria Colombo

Saimos dali e continuamos caminhando pela Rua Sete de Setembro em direção à Praça XV (não tem mistério é só seguir em frente até a Rua Primeiro de Março). Chegando lá vocês já vão ver o arco de entrada do Boulevard. À direita, podem aproveitar para conhecer a Casa do Japão, no Paço Imperial. 

Preferimos continuar a caminhada até a casa da Austrália, na bolsa de valores. Essa casa é destinada, principalmente, pra quem pretende morar por lá. Logo ao lado, para os aventureiros, tem um guindaste com um bungee jump (40m). Muito obrigada, mas essa eu passei! rsrsrsr

vídeo do bungee jump


Seguindo pelo Boulevard, continuamos caminhando e apreciando toda aquela nova área. Ficou lindo demais! O Espaço Cultural da Marinha, que já falamos em outro post, floresceu com essa obra. Antes ficava em um lugar escuro e sujo, escondido embaixo do viaduto. Hoje, ganhou novos ares!

Mais adiante, chegamos finalmente próximo à pira olímpica e a parada pra foto é obrigatória!



A caminhada continua! Isso mesmo, não esqueçam de calçar um tênis bem confortável, porque vocês vão andar bastante. Por dentro do Primeiro Distrito Naval há um novo caminho super agradável com vista pra Baía de Guanabara. Quem quiser, pode aproveitar pra conhecer a casa de Portugal, um navio veleiro, mas prepare-se para a fila!

Ao fundo o Navio Veleiro Sagres


Finalmente chegamos na Praça Mauá, onde fica o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio. Também na mesma área, existe uma réplica do 14 bis, as letras que formam as palavras Cidade Olímpica e um palco armado para assistir as competições do dia.

Cidade Olímpica

14 bis

Museu do Amanhã

E se você achou que agora a caminhada tinha acabado, se enganou! Mas se você já está cansado de caminhar pode sentar um pouco e se deliciar com dezenas de food trucks que existem no local. Outra opção para não andar tanto é pegar o VLT, mas sinceramente não vai ter a mesma graça. Ao longo do caminho existem várias atrações que só poderão ser vistas caminhando e sentindo o clima de Olimpíadas no ar.

Mascote


Agora começa talvez uma das partes mais interessantes da caminhada, se é que é possível eleger alguma parte como a mais interessante! Após a Praça Mauá, o Boulevard continua e logo no Armazém 2 podemos visitar a Casa Brasil, que traz a nossa cultura de uma forma bem alegre e colorida.

Foto tirada em máquina na rua e enviada para o email na hora
Festas do Brasil

Que tal um basquete paralímpico?

A Casa da Coca-Cola estava com fila para entrar, então preferimos seguir adiante. O legal é que pela rua existem pontos interativos para tirar foto e enviar para o seu email, ou ainda sair na capa do jornal O Globo.

Outro ponto auge da caminhada é o painel feito pelo grafiteiro Kobra. É impressionante quanta beleza sai de uma parede que tinha tudo pra tornar aquele lugar feio, mas transformou a paisagem em algo bonito e criativo. 



Para finalizar, visitamos a casa do Rio de Janeiro, que está muuuuuuito legal!!! Super interativa e ótima para levar os pequenos. Quando fomos não tinha fila e não estava muito cheia, o que nós achamos ótimo! Talvez porque muitos desistam de chegar até o final da caminhada ou nem desconfiem que ela esteja lá. Com certeza com a abertura da Casa da NBA, bem em frente (altura do armazém 6) no dia 12 o público deve aumentar.

Uniforme usado pela Seleção de Vôlei

Ouro Olímpico




















Que tal uma partida com a Seleção? Casa do RIO

Simulador de remo



Sensacional define essa experiência!!! Acho que vale a pena reservar uma parte do dia para conhecer a nova zona portuária do Rio de Janeiro. Pra quem quer evitar o final de semana, mas trabalha durante a semana, a dica é ir após o expediente, já que o movimento é grande e as casas funcionam até 20hs.

Para os turistas, na casa do Rio de Janeiro é possível pegar alguns folhetos, mapas e sugestões de roteiros para o interior do Rio. Aproveitem! Além disso, nos quiosques de informação ao turista também têm revistas e guias bem legais.

Não deixem de conferir algumas dicas dos Museus que ficam no caminho (clique aqui)

Ah, fizemos esse roteiro em 3 horas, mas com certeza teremos que voltar lá outra vez. Primeiro, pra conhecer a casa da NBA que ainda não tinha inaugurado e também para conferir as outras atrações que estavam com fila ou vimos muito rápido, já que tínhamos horário pra voltar. De qualquer forma, reservem no mínimo 3 horas pra ter uma visão geral do local.

Espero que os cariocas tenham se animado a conhecer e os turistas aproveitem bastante.


segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O que fazer nas Olimpíadas do Rio? Museus - parte 2

E aí, duplas ?!?

Tenho certeza que leram nosso primeiro post das Olimpíadas no Rio e adoraram, né?!? Quem não leu, vale conferir aqui. Nele escrevemos sobre alguns dos principais Museus do Rio de Janeiro, principalmente aqueles situadas próximos à Praça Mauá.

Hoje vamos escrever sobre os outros museus (principalmente os que ficam perto da praça Cinelândia), que também fazem parte do nosso centro histórico e enchem os cariocas de muito orgulho, contando um pouquinho da nossa história.

1) Museu de Histórico Nacional


 O Museu conta com exposições permanentes, que retratam a evolução Histórica do nosso país por meio de moedas e automóveis, bem como exposições itinerantes. 

Nas Olimpíadas o Museu vai abrigar a Casa do México e contará com 3 exposições sobre o país: "A magia do Sorriso", uma amostra arqueológica que é uma alegoria para a felicidade; ‘Frida e Eu’, uma mostra interativa para crianças sobre a renomada pintora Frida Kahlo; e uma homenagem à história do desenho gráfico latino-americano dos Jogos Olímpicos em “América Latina, Jogos Olímpicos: México 68 – Rio 2016 ‘. Haverá também um espaço para explorar as possibilidades de turismo no México.

O Museu fica na Avenida Marechal Âncora, s/n (em frente a Aeronáutica, próximo ao Aeroporto Santos Dumont.

Horário de funcionamento: terça à sexta-feira das 10 às 17:30 horas. Sábados, domingos e feriados: das 14 às 18 horas.

2) Teatro Municipal


Não necessariamente um museu, mas um teatro com muita história pra contar! É palco de inúmeros espetáculos de ballet, ópera e até mesmo entrega de prêmios. Estar nesse lugar é como voltar ao passado e se sentir parte da nobreza. E nada mais nobre do que respirar cultura, não é mesmo?!? Hoje, graças a Deus, não é preciso pertencer a nobreza para frequentá-lo, pois possui espetáculos acessíveis a todos os bolsos ao longo do ano!

No mês das Olimpíadas, apresentará a Trilogia Amazônica -ballet e orquestra sinfônica do Teatro Municipal, nos dias 3, 4, 6, 11, 12 e 13, às 20h e nos dias 7 e 14 às 17h.

Também haverá apresentação da Ópera Sãvitri, com o solista da Academia de Ópera Bidy Sayão e músicos da orquestra Sinfônica do tettro Municipal, nos dia 19 de agosto, às 20h e dia 21 às 17h.

Os tickets podem ser comprados no site ingresso.com ou na bilheteria do teatro.

A visita guiada acontece de terça a sexta às 11:30, 12h, 14h, 14:30, 15h e 16h; sábados e feriados: 11h, 12h e 13h. A visita em inglês acontece de terça a sexta às 14h e sábado/feriados às 12h. O valor é R$20,00 (inteira), R$10,00 (meia).

O Teatro fica na Praça Cinelândia (acesso metrô Cinelândia).

3) Biblioteca Nacional


Ainda na Praça Cinelândia, encontramos esse lindo prédio, onde se situa a Biblioteca Nacional, considerada pela UNESCO uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo e a maior biblioteca da América Latina.

A Biblioteca Nacional funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, e sábados, das 10h30 às 15h.
A visita orientada na Biblioteca Nacional é gratuita e pode ser realizada de segunda a sexta-feira, em três horários: 11h e 15h (português); 13h (inglês).

 4) Centro Cultural da Justiça Federal


Ao lado da Biblioteca Nacional está o prédio da Justiça Federal e o seu centro cultural. No mês de agosto (até 28/08) haverá a exposição "Atletas de Corpo e Alma" que combina, em cerca de 60 imagens, atletas em ação nas suas respectivas modalidades esportivas com retratos produzidos de modo mais pessoal e intimista pelo fotógrafo Gustavo Malheiros.

Funcionará na galeria do segunda andar de terça a domingo, de 12h às 19h.

5) Museu Nacional de Belas Artes


Localizado entre o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional está o Museu Nacional de belas Artes, que possui um grande acervo de obras.

Aproveitando o clima de Olimpíadas, o museu recebe, até o dia 2 de outubro, a exposição “Os Jogos da Antiguidade | Grécia e Roma”. A mostra apresenta 10 das maiores coleções italianas e gregas, exibe esculturas que representam atletas, objetos usados por eles, ânforas e mosaicos que retratam cenas esportivas. São cerca de 60 obras, algumas com mais de 2.500 anos de idade.

Funciona de terça a sexta-feira das 10 às 17hs; sábados, domingos e feriados das 13 às 17 horas.
 
Ingressos: R$ 8,00 e meia: R$ 4,00 e ingresso família (para até 4 membros de uma mesma família) a R$ 8,00. Disponibilizamos audioguias: R$ 8,00. Venda de ingressos e entrada de visitantes até 30 min antes do fechamento do Museu. Grátis aos domingos.

6) Câmara Municipal do Rio de Janeiro


Completando a visita pela Praça Cinelândia, a câmara dos Vereadores também tem muita história pra contar. As visitas podem ser feitas nos dias úteis. Não achamos informação sobre o horário de visitas, mas acredito que seja no horário comercial. O telefone de contato para mais informações é Tel.: (21) 3814-2121

Aproveitando o tour pelo centro da Cidade, um passeio imperdível e bem pertinho de todos esses museus é o bondinho de Santa Teresa, que depois de alguns anos voltou a funcionar. 


O ponto inicial é perto do largo da carioca (metrô carioca), atrás da sede da Petrobrás, numa rua bem escondidinha, chamada Rua Lélio Gama.

O bonde está em fase de testes e opera de segunda a sábado, das 11h às 16h, com intervalos de 20 minutos. O ponto alto dessa viagem no tempo é quando o bonde passa por cima dos arcos da Lapa, antigo aqueduto.


Pra finalizar nosso roteiro de museus no centro histórico da Cidade Maravilhosa, não poderíamos deixar de falar de um lugar que, apesar de não ser museu, guarda na sua arquitetura toda a história da cidade e de quebra sacia nossa fome! É a confeitaria Colombo!





Ela foi fundada em 1894 e continua linda até os dias de hoje. Poder desfrutar de toda essa beleza tomando um chá, almoçando ou simplesmente comendo um doce ou salgado no balcão não tem preço, ainda mais depois de conhecer todos esses pontos turísticos do centro da cidade.

Uma sugestão para esse mês de agosto (04, 11, 12, 19 e 25/08/2016) é o chá tradicional, que acontece de 17h às 19h30, no segundo piso, pelo valor de R$ 65,00 + 10% (não aceitam cheque).
 
O cardápio do chá conta com uma variedade de delícias entre pães, frios, salgados, mini sanduíches e canapés, além de doces, bolos, mini tarteletes, e os já consagrados pastel de Belém e quindim de camisola. Para beber, café, chocolate, sucos e uma seleção especial de chás nacionais e importados, perfeitos para acompanhar biscoitinhos e petit fours.

Haverá uma Edição Especial 200 anos Missão Francesa no dia 26/08/2016.

A confeitaria fica na Rua Gonçalves Dias, 32 (Próximo à Rua Sete de Setembro). Metrô mais perto é a estação carioca. 

Funciona de 2ª à 6ª feira: de 09:00 às 19:30h; sábados e feriados: de 09:00 às 17:00.

É isso, pessoal!!! Esperamos muito que tenham gostado desse pequeno guia do nosso centro histórico, lembrando que ainda existem outros lugares pra conhecer, como igrejas maravilhosas. Sugerimos que vocês entrem em algumas, a medida que forem passando por elas! Um pouquinho de oração sempre faz bem, além disso são um colírio para os olhos de tão belas.

Viram como é possível aproveitar os jogos e ainda sair dessa viagem com muito conhecimento? Muito legal saber que muitos museus também se prepararam para esse período olímpico! Então, vamos aproveitar!!!

sexta-feira, 29 de julho de 2016

O que fazer nas Olimpíadas do Rio? Museus - parte 1

Oi, duplas!

Pra quem não sabe, nós somos cariocas e estamos empolgadíssimos com as Olimpíadas na nossa cidade. O Rio, que já é uma cidade super festiva, de clima super descontraído e povo acolhedor, vai ser o centro das atenções nos próximos dias e não tem como dar errado (até tem, né?! mas estamos confiantes de que vai dar tudo certo!rsrsrs).

Então, pra manter a tradição de que somos um povo hospitaleiro, preparamos um roteiro do melhor que a nossa cidade tem pra oferecer pra vocês e vamos começar falando dos museus. Afinal, por que não juntar esporte e cultura numa só festa? Os museus do Rio estão com várias exposições legais e cheios de novidades para o turista! Vamos a eles:

1) Museu do Amanhã



Promete ser um das grandes atrações da cidade! Foi projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava e faz parte da revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro. Durante o mês de agosto terá funcionamento especial e os ingressos serão vendidos exclusivamente online (clique aqui) 

O Museu, em geral, abre de terça a domingo, com entrada das 10h às 17h. Nesse período, no entanto, existem exceções em quatro dias:
- Abrirão em duas segundas-feiras, nos dias 8 e 15 de agosto, com entrada das 10h às 17h.
- Funcionarão em horário diferente em dois domingos, dias 14 e 21 de agosto, com entrada das 15h às 20h.
 Às terças-feiras o museu é gratuito, mas excepcionalmente no mês de agosto só haverá gratuidade legal nesses dias. 

O valor é: 
inteira: R$ 10
Meia-entrada: R$ 5
Bilhete Único dos Museus (Museu do Amanhã + MAR): R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia-entrada)

Como chegar: O Museu fica na Praça Mauá e o VLT passa bem em frente. A estação de metrô mais próxima é a Uruguaiana (ainda assim é longe). Uma boa opção é pegar o metro até a estação da carioca ou cinelândia (também com excelentes dicas culturais, que falaremos em breve) e de lá pegar o VLT na Avenida Rio Branco. Ou ainda, você pode consultar o melhor ônibus (clique aqui)
 
2) MAR



Ainda na Praça Mauá, outro museu que vai ser a sensação, com uma super exposição "A cor do Brasil" é o Museu de arte do Rio. A exposição ficará até janeiro de 2017 e terá obras da Tarsila do Amaral.

Ingresso: 
 Pode ser comprado online (clique aqui)
Combo (MAR +Museu do Amanhã) R$16,00 inteira e R$8,00 meia
R$10,00 inteira
R$5,00 meia (Pessoas com até 21 anos, estudantes de escolas particulares -Ensino Fundamental e Médio, estudantes universitários, pessoas com deficiência, cariocas, moradores da cidade do Rio de Janeiro)
Gratuidade para todos às terças. Nos demais dias a gratuidade é  para: alunos da rede pública de Ensino Fundamental e Médio, crianças com até 5 anos de idade, pessoas com idade a partir de 60 anos, professores da rede pública de ensino, funcionários de museus, grupos em situação de vulnerabilidade social em visita educativa, vizinhos do MAR e guias de turismo.

Horário: Terça a Domingo de 10h às 17h

3) CCBB 


O já tradicional museu do Centro Cultural Banco do Brasil, que fica próximo à famosa igreja da Candelária e a poucos minutos de caminhada da Praça Mauá, está expondo até 17/10/2016 "O triunfo da cor", com obras primas dos museus franceses d'Orsay e l'Orangerie, entrada franca :))) A visita poderá ser feita por ordem de chegada ou por agendamento (clique aqui)

Funciona de quarta às segundas de 9h até 21hs.

Fácil acesso de ônibus (ver link acima, no museu do amanhã) e o metrô mais próximo é o da Uruguaiana. 

4) Complexo Cultural da Marinha



Ainda a alguns passos de distância de todos esses museus citados anteriormente, existe o não muito conhecido e não menos interessante Complexo Cultural da Marinha, que conta com o Museu Naval, Espaço Cultural e Ilha fical (foto). Excelente para crianças.

O Espaço Cultural da Marinha funciona de terça-feira a domingo, das 12h às 17h, na  Av. Alfred Agache, s/n, Centro, próximo à Praça XV.
Entrada gratuita para visitações. É possível visitar o Submarino- Museu Riachuelo e o Navio- Museu Bauru.

O acesso à Ilha Fiscal é feito pela escuna Nogueira da Gama ou, excepcionalmente, por micro-ônibus e o ingresso pode ser comprado na bilheteria do Espaço Cultural.

O Museu Naval fica na Rua Dom Manuel, 15, (próximo à Praça XV atrás do Palácio Tiradentes) e traz a exposição permanente “O Poder Naval na Formação do Brasil”, desde a chegada dos portugueses, as diversas invasões vindas mar, o período de colonização, o período da chegada da família Real no Brasil, a Regência, o Império e a República até os dias de hoje. 

5) Paço Imperial

O museu do Paço Imperial fica na Praça XV, próximo ao Museu Naval e ao lado da ALERJ (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). A entrada é franca para as exposições

O prédio colonial tem uma importância histórica imensa, já que foi lá que D. Pedro I decidiu ficar no Brasil e não voltar a Portugal – Dia do Fico. Lá, também, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. Pesquisas dizem que em 1840, o Paço foi o primeiro local da América Latina a ser fotografado”

Além disso, nas Olimpíadas, será uma das Casas do Japão, com uma super exposição!

Funcionamento: de terça a domingo, das 12 às 19h
Período olímpico (01 AGO - 25 SET): de terça a domingo, das 11h às 19h.

6) ALERJ


Do lado do Paço Imperial, na praça XV (bem perto das barcas que vem de Niterói, Paquetá e Ilha do Governador) está o majestoso Palácio Tiradentes, também conhecido por ser a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

A visita guiada acontece de segunda-feira a Sábado: 10:00 às 17:00 horas e Domingos e Feriados: 12:00 às 17:00 horas. O agendamento só é necessário para grupos de mais de 15 pessoas.

O Palácio abrigou a Assembleia Nacional Constituinte, responsável pela elaboração da nossa atual Constituição Republicana. É lindo por fora e por dentro.


E aí, gostaram?!?



Como puderam perceber nossa cidade é muito rica em cultura, do novo ao antigo, tem muita história pra contar!!! Essa foi apenas a primeira parte dos museus do nosso centro histórico. Além disso, são todos rodeados de igrejas maravilhosas, como a já citada Candelária (próxima ao CCBB), a igreja de Nossa Senhora do Carmo (em frente à Praça XV, onde a Princesa Isabel se casou) e o Mosteiro de São bento (Próximo à Praça Mauá, de 7h às 18h).

Espero que os cariocas aproveitem para conhecer a história da Cidade Maravilhosa e os turistas se encantem e voltem sempre!

No próximo post (clique aqui) falarei dos museus que ficam ao redor da Cinelândia. Tenho certeza que vão gostar!!!




segunda-feira, 6 de junho de 2016

Curaçao - dicas, quando ir, onde ficar?

Nossa viagem mais recente foi para a deliciosa ilha de Curaçao! Para aqueles que acompanham nossas redes sociais e se encantaram por nossas fotos, estavam apenas aguardando pelo post no blog para saber todas as dicas do local. Tenho certeza que vão se apaixonar mais ainda, porque realmente o lugar é encantador!

O que esperar da ilha que parece trazer o coração no nome? Muuuuuuitas praias paradisíacas, com águas cristalinas de um azul turquesa impressionante, como promete (e cumpre) ser o Caribe! Além disso, o lugar nos surpreendeu com bons restaurantes e um povo bem sorridente! Adoramos! É indicado principalmente para duplas de viagem como a gente e famílias com crianças, mas para os mais festeiros é possível desfrutar dos beach clubs. Como em todo Caribe é recomendável ficar atento para o período do Spring Break (recesso escolar e universitário americano, que traz vários viajantes em busca de sol e festas para regiões de praia, como o Caribe). 

Praia de Jeremi

Se engana quem pensa que, por ser uma ilha, tudo fica perto! O aluguel de carro é quase obrigatório, pois as praias mais bonitas ficam bem distantes do centro (cerca de 40 km). Quase não vimos ônibus circulando e dizem que os táxis cobram valores bem salgados para o padrão brasileiro (mais ou menos $25 para levar do centro às praias). Então, o jeito é alugar carro mesmo! Achei fácil chegar até as praias, pois basta seguir as placas para WestPunt. Para facilitar, vale a pena baixar o mapa do google, que funciona offline. 

Outra dica é ficar atento para os locais de estacionamento, principalmente no centro, já que nas praias existem locais próprios. Digo isso, pois existem muitos lugares com o chão marcado de NP (no parking) e quando você finalmente acha uma vaga, parece muito bom para ser verdade! E é mentira! Não vimos essa informação em nenhum blog e acabamos aprendendo com o próprio erro. Salvo domingo e feriado, que o estacionamento é gratuito, nos dias de semana tem que pagar na máquina que fica próxima ao local. Como não vimos essa máquina, quando voltamos nossa roda estava presa com um papel fixado no para-brisa do carro. Pedimos ajuda aos locais (paramos próximo ao mercado flutuante), que tentaram ligar para o número e depois acabaram explicando pra gente onde ficava o guichê para pagar a multa de $15 (sorte que ficava perto e fomos andando). Ninguém merece!!!

Máquina para pagar o estacionamento
É recomendável levar dólar e evitar as notas de $100, porque alguns lugares não aceitam. Também não aceitam moedas. O troco pode vir em dólar ou em moeda local (Florim). A maioria dos locais aceitam cartões de crédito.

O Clima de Curaçao não é influenciado pelos furacões caribenhos, o que torna possível ser visitada durante praticamente todo ano, devendo ser evitada a época das chuvas que vai de outubro a dezembro, já que praia e chuva não combinam :)) Fomos em Maio e a temperatura estava em torno de 30ºC, já a água não estava morna, mas agradável, possibilitando passar bastante tempo fazendo snorkel e se refrescando do calor (que também não chega a ser insuportável, por conta dos ventos). Pegamos dias completamente ensolarados, assim como dias parcialmente ensolarados (maioria) e um dia de chuva (com sol no final da tarde).

Pôr-do-sol no final da tarde do único dia de chuva

Decidimos passar 1 semana na ilha e achamos de bom tamanho. A maioria passa 5 dias e muitos resolvem conjugar com Aruba, o que é uma boa pedida. Existem alguns cruzeiros que passam por Curaçao, mas, na minha opinião, não dá pra aproveitar o que Curaçao tem de melhor! Diria que de 5 a 7 dias é o ideal!

A língua oficial é o holandês! Sim, Curaçao é a antiga capital das Antilhas Holandesas e ainda tem muita influência na sua arquitetura, povo, comida e cultura de maneira geral. Mas quem acha que não vai conseguir se comunicar lá se engana, pois outra língua falada por lá é o papiamento, que mistura outras 7 línguas, inclusive o português. Então não estranhe se receber um "Bom dia", porque muitas palavras se parecem com nossa língua. Além disso, o espanhol e inglês também são bem aceitos, principalmente com quem trabalha com turismo.


Pra finalizar esse post, vou deixar 2 dicas de hospedagem. Nessa viagem, escolhemos nos hospedar em 2 pontos da ilha diferentes. Como estávamos de carro e malas suficientes para 1 semana, não seria um transtorno mudar de hotel e poderíamos conhecer e desfrutar de locais completamente diferentes, bem como aproveitar o melhor deles. Foi o que fizemos, mas não recomendamos isso para quem vai passar menos de 1 semana.

O primeiro deles, o (clique aqui) Floris Suíte Hotel, foi só surpresas positivas. O quarto é quase um apartamento, com varanda, sala, banheiro e copa (o que ajuda muito, pois a maioria dos hotéis não incluem na diária o café da manhã). Além disso, todo dia de 17h às 18h acontece um happy hour  na piscina com bebidas (cerveja, vinho, água e refrigerante) e alguns belisquetes bem gostosos (0800 total !!!). Era uma delícia desfrutar o final de tarde na piscina, ainda mais com todo esse mimo. Na sexta-feira, o happy hour ainda foi prolongado por mais uma hora, mas no hall do hotel.


quarto

Sala

copa/cozinha


Piscina do Hotel Floris

A localização do hotel é ótima, na praia de Piscadera (5 min. a pé ou o hotel faz o transfer de ida e volta, pra quem tem dificuldade ou pra quem só está com preguiça mesmo - nosso caso rsrssr). Essa praia é a mesma do Hotel Hilton, sendo a entrada, espreguiçadeiras e toalhas gratuitas para os hóspedes (do Floris também). Essa praia possui a estrutura de 2 bares que dão apoio aos frequentadores: o Pirate Bay Beach Club e o Moomba Beach Club.

Outra característica do hotel é que a entrada de crianças não é permitida, talvez por ser gay friendly, ou seja, quem se hospeda no hotel já sabe que pode (e provavelmente vai) encontrar casais gays e a bandeira do arco-íris já anuncia isso logo na entrada do hotel. Não significa que apenas casais homossexuais podem se hospedar, tanto que foi lá que nos hospedamos, significa apenas que se você tem algum tipo de preconceito, lá não é o seu lugar. Aos nossos olhos, o momento que encontrávamos com os outros hóspedes era no happy hour da piscina, e era cada casal na sua, seja homo ou hetero, então não foi problema para gente!


Final de tarde - Happy Hour

Ahhh.... importante falar também que o WI-FI do hotel era MA-RA-VI-LHO-SO!!!! E isso nos dias de hoje é tão importante quanto chuveiro quente rsrsrsrs Ou seja, por toda essa estrutura, adoraaaaaamos o hotel e recomendamos com empenho!

O segundo hotel, ficava na praia da Jan Thiel, mais ao sul, próximo da região do sea aquarium. Essa área da cidade é bem mais sofisticada e hoje em dia é considerada a parte mais cool para ficar. O hotel escolhido foi o (clique aqui) Papagayo Beach Hotel (também só para adultos) e de cara já dava pra perceber que ele ficava numa área mais nobre e consequentemente tinha um conceito mais chic-moderno.

Foto do site

Pra quem gosta de malhar (e tem disposição pra isso na viagem) o lugar é perfeito, pois os hóspedes têm acesso a uma mega academia (clique - The Challenge) e podem inclusive fazer as aulas (horários). Pra quem gosta de correr ao ar livre, vi alguns praticantes correndo a noite na região, pela rua mesmo. O legal é que já dá pra sair da academia, passar num mercado que fica ao lado e repor as calorias perdidas.



Bom, tirando a academia, tudo o mais é pago à parte e foi aí que demos valor às mordomias do Floris! Mas enfim, cada um tem seu estilo e foi exatamente por isso que escolhemos nos hospedar em dois hotéis diferentes.

Dessa vez, o quarto (muito mais luxuoso) não tinha cozinha, mas contava com um frigobar, que junto com o mercado, ajudava no café da manhã. A princípio tivemos que chamar a recepcionista até o quarto, porque a senha da internet não entrava de jeito nenhum e até ela mesma teve dificuldade de conectar, mas finalmente conseguiu.

quarto - foto do site




















O hotel ficava em frente à praia, que também era gratuita para os hóspedes. No entanto, a espreguiçadeira era paga à parte se você quisesse ficar na piscina salgada de borda infinita, imitando uma praia. Então, o jeito foi ir para a outra piscina, o que acabou sendo até mais legal, pois era bem mais reservada e também tinha borda infinita.















Um ponto a favor do hotel é que a estrutura de praia é muito boa. Possui 3 bons restaurantes: Zest, Zanzibar e o Tinto. Além disso, na parte de baixo do hotel, próximo do mercado que mencionei acima, fica um restaurante de comida asiática.

O hotel conta ainda com um vestiário para trocar de roupa e tomar banho, caso seu vôo seja depois do check out (se quiser pode pagar $50 pelo late check out). No nosso caso, como reclamamos que esqueceram de limpar o nosso quarto, acabaram dando o late check out pra gente, nada mais justo!

Uma coisa simples, que ficou na memória, era o delicioso aroma de jasmin do jardim do hotel, cheirinho da minha infância. Vontade de levar o jardim inteiro dentro da mala :)))


Bom, nesse post eu aproveitei para dar as principais dicas de Curaçao e fazer o review dos hotéis que nos hospedamos. Espero que vocês tenham gostado! O próximo post vou contar nosso roteiro com todas as praias visitadas e os restaurantes, vai ser imperdível!!! Até mais :))

Um brinde e até o próximo post ;)