quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Roma: quando ir, como chegar, onde ficar e onde comer?

Diz a lenda que ao jogar uma moeda na Fontana de Trevi o visitante retorna à capital da Itália. Será verdade? Comigo funcionou!!! 20 anos depois, voltei a me encantar com suas ruas, comidas, beleza e história. Era a primeira vez da minha dupla na cidade e eu, depois de tanto tempo, queria relembrar tudo que visitei com olhos de menina para descobrir uma nova Roma com olhos de mulher.


A viagem foi deliciosa e o clima natalino ajudou muito! É bem verdade que a aerolíneas argentinas não fez sua parte (NÃO recomendo de jeito nenhum) e tive que dormir uma noite em Buenos Aires, chegando com 12 horas de atraso na capital italiana :'( mas no final das contas, tudo deu certo e consegui passar dias maravilhosos com minha dupla.

A melhor época para visitar a cidade é em meados de maio ou setembro, para fugir do calor do verão e frio do inverno. Além disso, no período do verão europeu as filas dos pontos turísticos podem ser intermináveis. Nesta viagem, fizemos um pouco diferente, já que queríamos aproveitar o clima natalino e o recesso de final do ano, então, apostamos em Dezembro! Descobrimos uma cidade com dias ensolarados e clima frio. O casaco, luva, gorro, etc, continuam indispensáveis, mas nada insuportável. Em alguns momentos, de muita caminhada na parte da tarde, era possível até sentir calor em pleno inverno. A única coisa que não mudou com a estação do ano foi a fila!!!



Mas uma vez em Roma, como chegar do aeroporto até a Estação Termini e de lá partir para o hotel? Se você quer comodidade e está disposto a pagar mais caro por isso, saiba que o táxi custa em média 45 euros. Outra opção mais econômica é pegar o Leonardo Express, que já sai direto de dentro do aeroporto! Mas fiquem atentos aos horários, pois do Aeroporto Fiumicino a primeira partida é às 6:38h e a última às 23:38h. O trem parte de meia em meia hora e no horário de pico o intervalo cai para 15 min. Saindo da Estação Roma Termini em direção ao aeroporto, o primeiro horário é às 5:50h e o último às 22:50h. Esse transporte custa 14 euros, o trajeto dura 30 min e pode ser pago nas máquinas automáticas com cartão de crédito. A outra opção é pegar um ônibus executivo, que demora em torno de 1 h e é bem mais barato.

Essas são as empresas de ônibus que partem de lá e para lá:


COTRAL- O ponto final fica em frente ao Terminal 2 na área de chegada. Só seguir as placas que falam "Regional Bus Station". Custa 5 euros até a Roma Termini.
TERRAVISION – Os ônibus se concentram na saída do Terminal 3, área de chegada. Siga as placas "Bus Station". Custa 4 euros se comprar online.
SIT BUS SHUTTLE - Fica também na área de chegada do Terminal 3, mas custa 6 euros.
TAM Fiumicino Aeroporto - Também no mesmo lugar. Custa 5 euros, promoção por 4.

bilhete do ônibus

Agora, vou passar nossa experiência de viagem com relação a esse transporte. Meu vôo estava previsto para chegar na capital italiana às 16:30h, mas com o atraso acabei chegando às 03:30h e ainda por cima sem minha dupla, que viajou por outra cia aérea. Ou seja, imagina minha felicidade em passar por todo esse perrengue sozinha, sem saber se o Diogo recebeu minhas mensagens e ainda sabendo que todo o euro que havíamos trocado estava comigo!!!!!! 

Quando finalmente cheguei em Roma, o wifi do aeroporto não funcionava e eu não sabia se o Diogo havia conseguido ir para o hotel ou estava me aguardando (o vôo dele chegou às 18:30h). Além disso, pelo horário, simplesmente não tinha transporte para a Estação de Trem Roma Termini e eu não estava nem um pouco disposta a torrar meus primeiros 50 euros no táxi. 

Assim sendo, usei meu sexto sentido feminino e segui as plaquinhas em direção aos ônibus executivos que saem do aeroporto. Os guichês ficavam do lado de fora (num frio miserável, já que ainda era de madrugada) sendo que o primeiro que abriu, por volta de 4:00h, só saía às 5:00h! Como o trem só sairia às 06:38h, não tive dúvida em comprar o tícket do ônibus! Fique esperando no aeroporto quentinho, junto com os argentinos que vieram no meu vôo e estavam na mesma situação que eu. O ônibus saiu pontualmente e pra minha glória, tinha wifi!!!!!! Ehhhhhhh!!!! Conseguir falar com minha dupla e saber que estava tudo bem. Ele conseguiu trocar uns poucos dólares que tinha levado e passar o cartão para pegar o Leonardo Express, já me aguardava no hotel. 


Guichês

Ao chegar na Estação, comprei o tícket do metrô numa banca de jornal e segui para a Estação do Coliseu, próxima ao meu hotel. Conclusão, já eram 6:30h e só deu tempo de tomar um banho, descansar alguns minutos e sair para conhecer a cidade! Ufaaaaa! Pra quem escolher essa opção (ônibus+metrô), lembre-se que as estações de metrô possuem alguns lances de escada.

Onde ficar? Ficamos bem pertinho do Coliseu e da estação de metrô de mesmo nome, no Hotel Mercure Coliseu. Nas redondezas também fica o Fórum Romano, Palatino e o Monumento Vittoriano (dá pra fazer tudo a pé). O local era bem servido de transporte, porque além do metrô, também tinha ponto de ônibus e bonde próximos ao hotel. 

Saída do Metrô na Estação Coliseu


Perto ao Coliseu tem alguns restaurantes, mas o lugar pareceu um pouco deserto a noite, apesar de não termos nos sentidos inseguros. Normalmente, a indicação de hospedagem em Roma é próximo à Piazza Navona  e Piazza Di Spagna, que é onde tem o burburinho de turistas de dia e de noite, mas não achamos uma má ideia ficar um pouco mais afastado, mas com fácil acesso por meios de transporte. O preço ficou mais em conta e de quebra ainda ganhamos uma linda vista do Coliseu!

Muitas pessoas dizem que em Roma o bom mesmo é fazer tudo a pé e não deixa de ser uma verdade, mas eu e minha dupla aproveitamos muito o transporte público. Andar cansa, né?!? rsrsrsr E às vezes pra economizar tempo e nossos pezinhos era uma mão na roda! Achamos muito fácil nos locomover por lá. O mêtro não tem uma linha muito extensa, mas consegue chegar a alguns pontos turístico. Pra facilitar, eles já colocam o nome do ponto turístico ao lado da estação. Funciona de 05:30h às 23:30h e aos sábados até 00:30h.  Na linha A, próximo à estação Spagna, pode-se chegar caminhando ao Pantheon, Piazza Navona e Fontana di Trevi. O Museu do Vaticano, Basílica de São Pedro, Capela Sistina e Castelo Sant'Angello também possuem estações próximas. Na linha B, fica o Coliseu, Fórum Romano, Palatino, Monumento Vittoriano e Museu do Capitólio.



As linhas de ônibus e bonde também não têm mistério. É possível ver o itinerário dos ônibus no próprio ponto e tem sempre algum que pára próximo a algum ponto turístico ou a uma estação de tro. Só fiquem atentos ao sentido que o ônibus está indo. O ponto que você está estará marcado com uma cor diferente ou envolvido de forma a destacá-lo.

Uma coisa que nos ajudou muito e nos fez economizar um bom dinheirinho foi o Roma Pass, ele dá direito a visitar os dois primeiros museus de forma gratuita, usar o transporte público de forma ilimitada e ainda tem filas diferenciadas para quem possui o tícket, o que faz economizar um bom tempo. Achei ele imprescindível! Compramos o de 36 euros, que era válido para 3 dias. Entramos no Coliseu (12 euros), no Museu do Capitólio  (15 euros) e usamos muito o transporte (1,50 euros e vale por 100 minutos) todos os dias. Então valeu muito a pena nossa economia! O Tícket pode ser comprado online (tem vários pontos  de troca). O nosso, com essa confusão da minha chegada pelo atraso de vôo, compramos numa banca de jornal, dentro da estação de metrô.

Agora, falar da Itália e não falar de comida é quase uma heresia rs Então....vamos ao que interessa, onde comer? Na correria da viagem, nem sempre conseguimos parar para desfrutar bons restaurantes. Normalmente, a gente faz uma lista enorme de lugares indicados pelos amigos blogueiros ou de sites, mas na hora H a gente acaba descobrindo novos lugares e abandona a lista. Dessa vez, tentamos achar alguns dos restaurantes indicados e chegar a nossa ppria conclusão.

Como a nossa diária não oferecia café da manhã, comíamos na rua mesmo, o que não era nenhum sacrifício, né?!? Quem nunca comeu a pizza do dia seguinte no café da manhã? rsrsrrs E se a pizza for fresquinha, quentinha e legitimamente italiana? Vale a pena, né?!? Então, por duas vezes nosso café da manhã foi a pizza dessa lanchonete próxima à Piazza San Pietro, na Via della Conciliazione. Aliás, nessa rua tem vários cafés e lojinhas de souvenirs! A pizza é vendida a quilo. Eles cortam um pedaço em formato quadrado, pesam e esquentam na hora (+- 3,50 euros). Se você é chegado num café da manhã mais tradicional, que tal uma pizza de lanche? 

Pizza Romana

Onde comíamos nossa pizza de café da manhã
café ao lado da pizza

Se você estiver passando perto da Fontana di Trevi  e a fome apertar tem um restaurante chamado Al Picchio, na Via del Lavatore, 39-40 que tem um clima bem agradável e oferece pratos mais em conta, pela localização que tem. Pedi uma lasanha bolonhesa (9 euros) e o Diogo um nhoque de 4 queijos (10 euros). Não é uma culinária excepcional, mas quebra um galho! No começo da mesma rua tem uma sorveteria que pode ser uma boa pedida para a sobremesa :)



Agora, se sua fome não tem limite, existe um restaurante que fica no Palazzo delle Esposizioni (museu com grandes obras de arte) chamado Open Colonna. Ele possui uma estrela Michelin, tem o teto de vidro, decoração de orquídeas e custa 16 euros para comer no estilo "eat as much you can", ou seja, buffet de comida e doces liberados. Fica na Via nazionale, 194. A entrada direta para o restaurante fica na rua lateral do Museu, subindo uma escada próxima a um túnel. A comida é gostosa, mas achei que valeu mais pela quantidade do que pela qualidade, afinal, pensando bem, com esse valor poderíamos fazer 2 refeições, já que a comida italiana não é muito cara. O ambiente clean e o cardápio preparado por um chef são o diferencial, então, se você quiser comer sem limite, esse é o lugar! Só não pense que você vai fazer um prato de pedreiro, porque a comida é leve e deve ser apreciada em muitas pequenas porções.




















O Da Fabrizio fica na região de trastevere na Via Santa Dorotea,10 (perto da piazza trilussa).  Aberto todos os dias menos às quartas, 12:30h às 15:00 h e 19:30h às 23:00 h. A região por si só já é um charme à parte. O restaurante é simples for fora e caloroso por dentro. Quando fomos, entrou uma dupla de de cantores que animou o ambiente. Comemos fettuccini com bochecha de porco  e rigatoni ao molho de trufa negra e cogumelos (16 euros). O rigatoni estava FANTÁSTICO, já o fettuccini não achei grandes coisas, mas o Diogo gostou. O preço é um pouco mais caro do que os restaurantes  próximos, mas achei que estava tão gostoso que valeu a pena! Não deixem de dar uma volta na região, tem vários restaurantes por lá. Pra finalizar, a sobremesa foi sorvete, lógico, né?!? Mas preferimos comer em uma sorveteria artesanal da região que estava sempre cheia. 

Fettuccini de bochecha de porco
Da Fabrizio

Rigatoni ao molho de trufa negra e cogumelos
Sorveteria

Pra terminar, fomos no EATALY, que é um grande mercado nos moldes do que existe em São Paulo e Nova York, lá degustamos vários produtos locais, compramos alguns, obviamente rsrsr e íamos jantar lá, mas os restaurantes abriam mais tarde, então fizemos um lanche. Não sei se a comida dos restaurantes de lá é gostosa, mas o ambiente parece de uma praça de alimentação, então se você quer uma coisa mais intimista, lá não é o lugar! Funciona de 10h até meia-noite. Pra chegar, basta seguir a propaganda maciça do metrô (Metro B - Piramide).

Indicação no mêtro

Eataly




















Menu


Duplas queridas, esse post acabou saindo maior do que eu esperava, porque é muita informação e muitas dicas que separamos pra postar pra vocês. Então, decidi fazer um outro post só com o roteiro dos 4 dias que passamos por lá. Aguardem que muito em breve vou publicar:  O que fazer em Roma?

 


 

2 comentários:

  1. Olá,minha viagem inicia dia 14.04.2017 em Paris, visitarei os pontos turisticos, farei cursos rápidos na Le cordon Blue, com termino no dia 21.04.2017, depois seguir para Itália, gostaria de dicas para fazer um tour gastronômico pela Itália em sete dias, gostaria de experimentar comidas italianas autenticas, conhecer mamas que fazem pastas italianas legítimas, queijos e conhecer vinícolas e etc. Como deve me programar e onde devo começar, não tenho pretensão de me deslocar de trem por muitas horas, gostaria de conhecer bem uma ou duas regiões, uma região que a gastronomia seja forte e intensa.
    Mas não sei onde devo começar,tenho o intuito de comprar passagem Fortaleza / paris, e depois não sei, será que compro passagem de ida e volta logo (paris/fortaleza), ou espero?

    ResponderExcluir
  2. Q delícia de viagemmmm!!!! Hummm, deu água na boca rsrsrsr Bom, nós nunca fizemos um roteiro tão voltado pra gastronomia assim, mas espero que possamos ajudar em alguma coisa. Na Itália, vai ser impossível comer mal, mas pelo visto você quer alguma coisa mais regional, então fuja dos roteiros turísticos e tente pegar dicas com alguém que seja de lá ou tenha morado lá. Um lugar com vários restaurantes charmosos em Roma se chama Trastevere, comemos muito bem por lá! Duas regiões que eu indicaria tb é a Costa Amalfitana e a Toscana. Sem dúvida alguma não compre o seu voo e volta por Paris, pq vc vai perder tempo com deslocamento. Sugiro comprar saindo de Roma que tem mtas opções e, afinal, todos os caminhos levam a Roma rsrsrs brincadeiras à parte, Roma é perto tanto da Toscana quanto da Costa Amalfitana. No mais, pesquise bastante, vc vai achar boas dicas nos blogs. Selecionei 2 pra você começar suas buscas. http://www.360meridianos.com/2014/03/mapa-gastronomico-da-italia.html e http://www.notasdesabor.com.br/pitadinhas/roteiro-gastronomico-italia/

    Espero que ajude! bjssss

    ResponderExcluir